06 maio 2005

Água e Sol




from Jacket Art



tenho asas de condor garras de tigre

força de rinoceronte enfurecido

agilidade de gasela em fuga

vivo em grutas sou polvo de disfarce

uivo a solo fora de alcateias

canto do rouxinol os cantos todos

beijo flores,sou breve colibri

redondo rolo qual bicho-de-conta

da tartaruga cobre-me a couraça.




nada em mim é humano ou tenta ser.

resisto em espaço morto de memórias

a animalidade é que me salva

neste já não viver - sobreviver.

4 passos

Blogger André Ferreira andou...

Que rapidamnete te metamorfoseas!
Obrigado pelas visitas ao meu blog :) Estive uma semana afastado do computador! Apeteceu-me!

De tantos animais o humano é salvo por ser também um animal sobretudo quando se lhe exige a sobrevivência e não o viver!

Beijinhos

Bom fim de semana

sexta mai 06, 09:39:00 da tarde  
Blogger wind andou...

:) belo poema! beijos

sábado mai 07, 12:35:00 da tarde  
Blogger ognid andou...

lindo M. :) beijos

segunda mai 09, 03:07:00 da tarde  
Blogger paperl life andou...

:) Beijos aos três.

Obrigada.

:)

segunda mai 09, 03:29:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home