18 maio 2005

a tempos, esbate-se a nitidez de infância.

que se passa? há um nevoeiro líquido, uma bruma de sonhos inquietos.

são diferentes as corridas e as quedas desse tempo. escorrega-se, resvala-se.

borbulham no entanto as ideias como água de cascata antes de formar lago ou rio mansos.




antes era mais simples tudo.

onde o bem e o mal tão definidos?

o que estava errado chegava sempre pela voz crítica da mãe. o carinho e o apoio pela ternura natural ao pai.

havia ainda infância nas brincadeiras feitas agora contra os professores mal amados.

mas aonde os berlindes e o arco? as corridas de rapazes e ela?

as amigas pareciam tontas, cheias de segredinhos. subiam as saias acima do joelho e passeavam em grupo. era de namorados que falavam.

- vens?

- não me apetece.

não ia nem ficava. vagueava sozinha. se estava só, falava alto. fazia peças de teatro que ninguém escrevera.

- andas a falar sozinha, lena? - as vizinhas, se acaso a encontravam.

- não. tenho uma antena ligada ao salazar. sou espia. ando a contar os grãos de areia da rua para ele saber se não tiram nenhum.

- sempre a responder torto... bem diz a tua mãe...

o óbvio! porque é que não se calavam se não tinham nada para dizer?

estava à beira de qualquer coisa. faltava descobrir de quê?

6 passos

Blogger r.e. andou...

gosto de aqui estar. a infância é um planeta estranho. a memória não ultrapassa a velocidade da luz como o tempo exigiria. mas resta a contemplação das estrelas da lembrança. beijinho. J.

quarta mai 18, 02:18:00 da tarde  
Blogger paperl life andou...

:)

Beijinho.

quarta mai 18, 03:19:00 da tarde  
Blogger batista filho andou...

Essa sensação de que “...não ia nem ficava. vagueava sozinha.”, me lembra algo que presenciei, alguém que conheci... O interessante, nesse recordar, o meu, é constatar a universalidade das idéias, as tuas. # Entre o preto e o branco, quantas nuanças, hem? Não é de estranhar que “antes era mais simples tudo”... # “estava à beira de qualquer coisa. faltava descobrir de quê?”, é... às vezes o tempo é mais longo do que gostaríamos, para atinar com as razões... e nem sempre as razões são aquelas que pensávamos, ou julgávamos ter.

quarta mai 18, 05:41:00 da tarde  
Blogger paperl life andou...

:)

Ser descodificada é bom e estranho ao mesmo tempo.

:)
Abraço.

quarta mai 18, 06:00:00 da tarde  
Blogger wind andou...

Que descobertas se farão na infância?:) beijos

quarta mai 18, 06:13:00 da tarde  
Blogger paperl life andou...

Cá para mim, Wind, as decisivas vêm da infância. depois é saber desenvolvê-las ao longo da vida.

:)

Bj

quarta mai 18, 06:15:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home