07 junho 2005

nem sempre foi infância e o corpo cresceu

os dias também foram aumentando até chegar o verão.

a praia: troia. a outra, a sem torres. a que tinha marisco onde se tropeçava.

calor. o corpo febril. a alma em desassossego.

- júlia, vamos?

- hoje não posso. a minha mãe vai ao médico. fico com o meu pai.

a amiga tinha o pai acamado há anos.

- vai tu. está tanta gente... que mal faz?

- vim só para vê-lo...

- eu sei. vai tu! ele está lá à espera. iria ficar triste se tu não aparecesses.

foi.

atravessou o sado nos barcos antigos. chegou ao cais antigo. olhou em volta.

- um mar de gente. isto hoje está demais.

- fala sozinha?

- não. contra o destino que não fez desta praia uma praia deserta.

- nós fazemos. nós conseguimos tudo. você sabe.

- já nem sei o que sei.

- o sócrates acabou onde você começa. nada mau.


in


calor. tanto calor! porque aumentara tanto a temperatura? passara a pior hora...

- que bom ter vindo! venha sentar-se ali. tenho a toalha à sombra.

- não foi fácil. ninguém queria ou deixou e a júlia não podia... é uma mentira o que estou a fazer.

- é?

- não! é a única verdade.

- sim.

olharam-se. bastava. sempre bastou quando mais não podiam.

- olhe, golfinhos!

- estão cá todos os anos. vê aquele homem que se atirou à água?

- vai ter com eles?

-sim.

- um golfinho ficou para trás. brinca com ele.

- dizem que o reconhece...

o calor descera com a frescura dos golfinhos mas por pouco tempo. como as ventoínhas, o fresco só dura enquanto passam, a girar.

olhavam-se de novo.

- quer ler a sina, menina?

uma cigana velha, muito velha. de preto. parecia um corvo gigante a ensombrar o dia.

- não!

quase gritou. mas não é fácil fazer ouvir um não a uma cigana. ainda por cima velha.

pegou-lhe a mão direita.

- não, já disse!

- esta é de graça. se quiser saber tudo é que tem de pagar.

o homem sorria. não levou a sério. estava calmo, feliz.

- vai casar com um homem mais velho... vejo muitas complicações na sua vida... 3 filhos vai ter!

quer saber mais?

-não, já disse!

- deixe a menina em paz.

o homem estendeu-lhe uma moeda.

- o que eu disse vai acontecer.

tremia. porquê? gostava de ciganos.

- pronto, ela já foi.

- é, viu-nos juntos e fez cálculos errados: casou-nos.

calaram-se. tristes.

- tenho de ir. já não moro aqui...

- eu sei. eu levo-a ao barco para lisboa.

que feliz se sentiu!



já no barco viu-o a acenar e a gritar como um louco:

- AFRODITE!

aconteceu, num dia de muito calor...

6 passos

Blogger wind andou...

E quando acontecem estas "estórias" há magia:) bjs

terça jun 07, 10:36:00 da tarde  
Blogger paperl life andou...

:)

nessa houve. foi a "estória" mais mágica de toda a vida dela.

:)

Beijos

terça jun 07, 11:00:00 da tarde  
Blogger adesenhar andou...

fiquei com calor depois de ler :-)

e a esta hora a temperatura ainda está alta ...

esta tarde levei com uns simpáticos 38º

hummm! algo vai mal com o clima.

se houve "estória" melhor ainda :-)

terça jun 07, 11:46:00 da tarde  
Blogger mad andou...

:)

quarta jun 08, 12:02:00 da tarde  
Blogger ccc andou...

estrada poética, gosto!

quarta jun 08, 03:29:00 da tarde  
Blogger against-wind andou...

:)

quarta jun 08, 03:45:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home